O Sahara em 4CV

2 meses passados no Sahara… em solitário… num 4 CV de 1955! É exequível uma vez que regressei. Obrigado a todos os que me permitiram preparar a viagem, munir-me do necessário evitando o supérfluo (de qualquer forma, não podemos sobrecarregar um 4CV!)

Uma aventura humana extraordinária…   Resumidamente (saibam que não pretendo passar por aventureiro, super homem ou um gabarola).

A minha aposta: partir sozinho, com um calhambeque que não foi concebido para o efeito… atravessar a estrada de “Tanezrouft”, criada em 1923 pelo Francês Georges Estienne (em homenagem a este grande homem, que se iniciou no deserto Frison-Roche… e que é da tempera de uma Alexandra David-Need, de um Charles de Foucauld, de um Théodore Monod…)


Argelia, Gardhaia, El Golea, Timimoun, Adrar, Reggane, Bidon V, Bordj Moktar

Visto: Nenhum problema para o obter, em França. Três dias… mas se pretendem sair da Argélia e voltar a entrar… é imperativo obterem antes da vossa partida (França), um visto de três meses com múltiplas entradas… senão, ficarão na merda (como eu) e terão de esperar 20 dias em Niamey por um hipotético visto Argelino… que nunca veio, apesar do apoio da Embaixada de França no Niger.

Até Gardhaia… muitos “Check Point” (CP) (guarda ou policia)… nada de muito desagradável. Mas, francamente porquê colocar controlos em cada 5 Kms? não penso que uma invasão de Bárbaros, desça das montanhas sobre a Argélia! Devo ter sido o primeiro turista desde há muito tempo neste país, porque o acolhimento é soberbo!

El Golça: É lá que está enterrado Charles de Foucauld e é lá que decido desobedecer aos militares que recusam deixarem-me passar… e fazerem-me esperar pelo comboio que parte daí a dois dias – Inch Allah – … um comboio? Porquê? Se rebentar, se ficar avariado… não dizem que os militares me vâo ajudar!… e parar 20 camiões enquanto eu limpo o carburador!

Além do mais, este comboio não é para os locais… mas unicamente para os estrangeiros… como tal não me parece muito útil e eu tenho 5000 Waypoints para fazer…  vou para a pista do Pipe Line, que parte à esquerda, a 15 quilómetros a norte de El Golea… e assim contorno (como todos os contrabandistas) os CP no sul da Cidade.

Timimoun… e o parque de campismo “La Rose des Sables”… um grande momento!…. realmente… Adrar… guarda, alfândega, policia, militar… passo sem qualquer problema! Pasmados de me verem passar num 4 CV… ninguém me dá conselhos de prudência, ninguém me proíbe seja do que for, ou me obriga, ou me sugere, ou me impede de prosseguir a minha rota!

Pelo contrário… todos se riem e todos os Argelinos se sentem honrados por eu atravessar assim o seu país, sozinho… mostrando ao Europeu, que o seu país é seguro. (é verdade que é menos divertido passar por Marrocos e pela Mauritânia, excepto se o fizer em Trabant! Bem… é uma ideia.  Eles estão conscientes que eu sou a melhor publicidade possível… se
passo num 4CV… não importa quem pode passar… e os turistas vão regressar!

Reggane… a porta do inferno… preferia que me tivessem assustado… que me tivessem impedido de entrar sozinho… e de noite… em Tanezrouft! Mas não… o último posto de controlo faz-me um bonito sorriso… sem verificar se tenho duas rodas sobressalentes e uma autonomia suficiente em gasolina e ?áua… (a propósito, não sou totalmente louco… ) e não houve nenhum problema em atestar de combustível e água em Reggane… porque depois… será necessário esperar 900 Kms de pista e Bordj Moktar, para reencontrar a civilização e uma Fanta fresca!

Tanezrouft em 4 CV… um livro ser? suficiente?

Não fiquei cansado… não atasquei… não me perdi… rolei toda a noite… passagem ao Km 200 ?s 10h da noite… ao Km 400 ás 4h da manhã, onde os militares me olham intrigados (devem tomar-me por um marciano!)

Não houve problema na passagem para o Mali… a estrada desde Bidon V
Éxcelente… mas devo dizer que não me sinto feliz por chegar à Bordj Moktar… resta-me apenas um litro de gasolina (75l à sa?da de Reggane)

A estrada para Tessalit é cheia de dificuldades… seria bom possuir um 4×4… mas enfim, o 4CV, tem tendência a fazer rir todas as pessoas… compreendo os rebeldes touaregs no bivouac ( a 100 Kms a Norte de Tessalit), o tempo que passei na companhia deles foi muito agradável (não foi necessário fazer nada)… eles chegaram mesmo a ajudar-me numa passagem delicada com fesh-fesh).


Estes tipos não têm medo de nada… sobretudo dos militares Malianos, que possuem apenas um eiculo para controlar uma área tão grande como a França… e não têm telefones Satélites Turaya – Régis (encontram-se novos em Gao, por 600 Euros) e que todos os bandidos têm no seu bolso,  para estarem prevenidos da chegada de caravanas amigas (assaltar) ou inimigas (militares a evitar).

Tessalit… uma felicidade (fiquei dez dias… aproveitando para me recompor, é impressionante como a areia tem tendência a entrar por todos os lados.)

A estrada para Gao deu-me a possibilidade de escolher passar por Kidal, em vez de passar ? direita de Markouba (uma merda de duna, com areia á volta). Esta escolha, que me fez percorrer mais de 200Kms, não foi de  todo benéfica, mesmo com Kidal e a sua prisão, como pontos de interesse… encontrei-me numa pista com muita areia e sem ninguém para me tirar de lá A minha melhor média nesta pista foi de 70 Kms em 12 horas…. e vocês acham engraçado?…

A estrada directa, teria sido uma vantagem e tinha-me permitido cruzar com 4 ou 5 cami?es (2 ou 3 durante o Ramadão) que fazem a ligação Gao Argélia (Reggane).

Gao… a pé! Mas atenção, não se deixem enganar (quando me anunciam X Francos CFA, eu posso, sem franzir o sobrolho, dividir por 4 para ter um preço um pouco abaixo do preço que pagam os locais.
A estrada para Niamey está completamente estragada até Tilabery (chapa ondulada, areia macia, estrada destruída ao longo do Niger)… e se a paisagem é realmente magnifica… o melhor ? olhar para frente do carro, evitando que as pedras façam explodir o 4CV que não tem mais do que 10 cms de altura ao solo.

Não trairia nenhum segredo em dizer que devemos circular na chapa a mais de 60… como não tenho potência e o meu carro não tem os amortecedores ideais (o 4CV está como de origem) eu circulo na pista , com precaução a 15 kms! Eu sempre quis ter um 4 cavalos… mas devo ter um burro.

Depois de Tilabery… é uma estrada a pagar portagem (menos de 1 Euro por 200 quilómetros… ? dentro das minhas posses!)

Só uma coisa me faltou… um guincho eléctrico de 800 Euros que se pode colocar na frente ou na traseira do carro…e que ter-me-ia ajudado nos meus vários atascanços (neste caso eu teria utilizado uma âncora (pneu enterrado na areia), para prender o meu cabo… felizmente que tinha uma pá! Aqui está… grosso modo a minha viagem de 2 meses sozinho em África.

Agradeço ainda as várias pessoas, que responderam aos meus pedidos de informação.

Para informação, anotei no meu GPS todos os CP. Agradeço (simpaticamente) à Garmin e Magellan, que não se dignaram a responder às minhas cartas (pedido de empréstimo ou venda a preço de “amigo” de um GPS).

Se tiverem necessidade de informações…. não hesitem em contactar-me ou venham ver-me a Lyon… e descobrirem o meu animal de corrida, que bem merece um pouco de repouso…. antes de novas aventuras… sim, sim, vocês verão!

Saudações a todos os Saharianos…

Texto e fotos: Pascal Paour
Tradução: Marisa Alves